Rendimento de Carcaça

Na bovinocultura de corte, o pecuarista irá receber em cima do peso da carcaça do seus animais. Para começar vamos definir o que é Carcaça: é o peso do animal abatido, sangrado, esfolado, eviscerado, desprovido de cabeça, patas, rabada, órgãos genitais externos, gordura perirrenal e inguinal, ferida de sangria, medula espinhal, diafragma e seus pilares.

O que realmente importa para o produtor vai ser o Rendimento de Carcaça(RC), que é obtido através da seguinte conta: RC= (Peso da carcaça quente/Peso vivo)*100. Mas alguns fatores interferem para que esse rendimento seja menor no Brasil, se comparado por exemplo com os EUA: -Raça: No Brasil possui muitas diversidades, cruzamentos, que muitas vezes não é interessante para esse ganho, se comparado com os EUA que por exemplo faz uso da raça Angus puro; -Acabamento junto com o Peso Vivo: Enquanto lá fora os animais são abatidos com 600 kg, aqui no nosso país, são abatidos com uma média de 450 kg; -Regime alimentar: Uma dieta alta em concentrados, garante maior ganho de peso para os animais, porém o Brasil tem como principal sistema a produção em pastagem. -Idade: No nosso país os animais vão para o abate em diversas idades, não segue um padrão.

O nosso país já não tendo meios propiciosos para um rendimento maior, ainda possui um regulamento chamado de TOALETE, que na prática não é realizado da forma que deveria ser (na teoria o Toalete seria a retirada de tecidos que podem comprometer a qualidade sanitária da carcaça). Na prática as industrias frigoríficas fazem descontos a mais das carcaças, como por exemplo a retirada excessiva de gordura. E claramente que esse desconto vai pesar no bolso do produtor.

Um exemplo é um resultado da Tese de Doutorado da professora Fabrícia, apresentado no Agroverdades, que nos mostra que o rendimento de carcaça de um macho inteiro foi de 52,14%, sendo que foi descontado 9,98 kg de gordura, dando um prejuízo de R$108,24. Claramente isso desamina o produtor a fazer um animal com acabamento melhor, pois mesmo recebendo por esse feito, ele terá uma maior perda também em relação a gordura, o que no final acaba não compensando.

O grande problema de denúncias, é que a justiça pode intervir e obrigar as industrias a parar com esses descontos (pois não é constado no regulamento), porém também ocorre o risco desses frigoríficos fecharem as portas e irem para outros lugares, prejudicando assim diretamente o produtor ( que infelizmente acaba ficando na mão do sistema comercial).

O Ministério da Agricultura ( que infelizmente não se interessa tanto por esse assunto) deve interceder para que o regulamento Toalete seja revisto, de modo que seja harmônico tanto para os frigoríficos quanto para os pecuaristas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s