Diarreia em bezerros leiteiros

A diarreia é considerada uma das doenças mais relevantes quando se trata de bezerros, sendo o principal motivo de morbidade e mortalidade nos animais jovens, acarretando em grandes perdas ao produtor leiteiro. Gera perdas econômicas devido aos custos com tratamento, o aumento da vulnerabilidade em relação a outras infecções, retardo no desenvolvimento e óbitos. Logo, demanda atenção redobrada no manejo dos neonatos leiteiros.

Diversos agentes patogênicos e condições de manejo podem resultar na diarreia em bezerros, que devido a isso, é retratada como doença multifatorial, podendo destacar:

  • Contaminação infecciosa: através de vírus e bactérias
  • Contaminação não infecciosa: ambiente, manejo nutricional, taxa de lotação

Geralmente, um outro fator que também interfere diretamente é a má colostragem, pois o colostro é um elemento essencial para adquirir imunidade, e quando esta não é feita corretamente e com qualidade, o animal fica mais suscetível a contrair doenças.

Os animais apresentam um quadro de desidratação progressiva, perdendo muita água pelas fezes, que por sua vez, são de consistência pastosa ou aquosa, podendo apresentar estrias de sangue, o que pode ser vista através da observação do períneo e/ou da cauda sujos com fezes.

É de grande importância a implementação de medidas estratégicas de controle e prevenção, podendo ser aplicadas por meio de ações simples, como:

  • Higiene e limpeza do ambiente, reduzindo a presença de agentes contaminantes
  • Fornecimento de colostro de qualidade na quantidade e tempo adequados
  • Instalações adequadas com proteção de sol e chuvas (umidade)
  • Evitar a superlotação de bezerros

No Brasil, o sistema de criação em abrigo individual em piquete, as “casinhas”, foi adotado para minimizar os problemas sanitários, e vem sendo utilizado no manejo intensivo.

O pontapé inicial no tratamento é a rápida identificação, quanto antes for identificada, maiores as chances de sucesso no final. Para ter eficácia no tratamento, é preciso identificar o grau da doença.

Os animais que apresentarem os sintomas devem ser isolados e rapidamente tratados com medicamentos adequados. É de extrema importância a presença de um profissional para determinar o grau da enfermidade e o possível tratamento, pois o sucesso do mesmo depende de escolhas apropriadas com relação a solução:

  • Se de nível leve, a principal característica é a consistência das fezes, tendo como tratamento principal a reposição de fluidos (água e eletrólitos), e caso necessário, fornecer antibióticos orais.
  • Já em  nível mais avançado, o animal fica em estado depressivo, olhar fundo, boca e narinas secas, tendo como tratamento a medicação parenteral (injeções).

Os gastos com a prevenção da diarreia são consideráveis, contudo, o custo-benefício desse investimento é relevante quando comparado as perdas econômicas advindas do tratamento à perda de produtividade e mortalidade dos animais.

Portanto, com adequado manejo nutricional, higienização e limpeza apropriadas e controle da contaminação ambiental são medidas que reduzem o domínio da diarreia em bezerros neonatos, diminuindo os prejuízos físicos e  econômicos ocorridas por meio desta.

Referências:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s